Revista Brasil Construção

Wtorre amplia megaloja da Leroy Merlin com 20 mil m2 e 360 mil quilos de aço

Redação 06/12/2017

Área de 20 mil m2, mais de 3 mil luminárias de led, 15 mil m3 de volume de concreto armado, 360 mil quilos de aço, 1.400 toneladas de estrutura metálica, cerca de 400 empregos diretos e 2 mil indiretos… Os números impactantes dão a grandeza da maior e mais moderna loja Leroy Merlin do Brasil, construída pela WTorre e inaugurada nesta terça-feira (5/12). Com a expansão do local agora serão 100 mil itens à disposição dos clientes. A unidade da Marginal Tietê, em São Paulo, ocupava antes 12 mil m² e teve sua ampliação concluída em 10 de agosto. O início das obras ocorreu em 22 de dezembro de 2016. Ou seja, em menos de oito meses houve a finalização do trabalho de engenharia. A segunda fase será iniciada em 2018 e completará o projeto total, que atingirá 31 mil m², conferindo à marca o título de o maior home center do Brasil.

“No próximo dia 15, haverá um saldão na loja antiga para a queima de estoque. No dia 8 de janeiro, começaremos a demolição”, informa o diretor de engenharia da WTorre, Eduardo Moraes. Ele explica que, além da grandeza do empreendimento, a maior dificuldade na execução da obra foi ampliar o home center com a loja em atividade. “A Leroy não deixou de funcionar e atender os clientes em nenhum momento. Por isso, tivemos de tocar a obra até mesmo de madrugada para que os prazos fossem cumpridos”.

Entre os muitos diferenciais da ampliação, a loja foi construída totalmente em estrutura metálica (pilares, vigas e lajes steel deck).  “Afora o conceito de modernidade e inovação, a estrutura metálica torna o processo de construção mais rápido e prático. Não precisa usar fôrma, já que a estrutura se solidariza”, destaca Moraes. O estacionamento foi concebido sobre toda a projeção da loja e a iluminação foi 100% em LED.

A Wtorre seguiu ainda a norma de sustentabilidade AQUA, importante selo de certificação reconhecido mundialmente e de grande importância para a marca. As vantagens são o baixo consumo de energia, de gás, reuso de água e tratamento de esgoto. “Não agride o meio ambiente. Até a madeira usada é certificada”, complementa o diretor.

Fonte: Assessoria

Compartilhe